[ID 121] IMPACTOS DA VIOLÊNCIA OCUPACIONAL NA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

Giovanna Silva Matos, Tatiane Aparecida dos Anjos, Rafaela de Fatima Germano, Daniela de Souza Ferreira, Juliana Gonçalves Silva de Mattos

Autores

Palavras-chave:

Enfermagem, Saúde do Trabalhador, Violência no Trabalho

Resumo

INTRODUÇÃO: Estatísticas atuais apresentam índices elevados de violência ocupacional na área da saúde, ambiente que representa destaque e vulnerabilidade nesse cenário.

OBJETIVO: Avaliar o impacto da violência ocupacional nas equipes multidisciplinares na Atenção Primária à Saúde do município de Patrocínio.

MATERIAL E MÉTODOS: Trata-se de um estudo descritivo, fundamentado em pesquisa de campo, de abordagem quantitativa. O cenário do estudo foram as Unidades Básicas de Saúde do município. Os participantes da pesquisa foram os profissionais que compõem a equipe multidisciplinar. A análise estatística foi realizada através do programa Excel 2010.

RESULTADOS: Participaram da pesquisa 164 profissionais de saúde. Sendo 160 do sexo feminino (97%), e 04 do sexo masculino (3%). A faixa etária predominante foi de 30 a 39 anos (38%). Em relação à violência ocupacional, 104 profissionais referiram já ter sofrido (63,4%). Dentre os tipos de violência, 6 foram vítimas de agressão física (2,5%), 92 vítimas de agressão verbal (37,4%), 29 presenciaram violência contra colegas de trabalho (11,8%), 53 vítimas de assédio moral (21,5%), 9 de assédio sexual (3,6%) e 14 de discriminação social (5,7%). Em relação aos direitos, 108 disseram não conhecer seus direitos (65,9%). Quanto à opinião dos profissionais sobre o que pode ser feito para prevenir a violência, 38 destacaram a necessidade de realizar educação.

CONCLUSÃO: Os profissionais que compõem a equipe multidisciplinar estão muito vulneráveis a ocorrência de violência ocupacional, além de não terem conhecimento dos seus direitos enquanto cidadãos e profissionais de saúde, ressaltando a relevância do acesso às informações.

Referências

ALBERT, P. P. et al. Técnicas de trabalho: alternativas viáveis. 4. ed. São Paulo: Muamar, 2018.

BARBOSA, L. Sociedade de consumo. 3 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

CARVALHO, D. F.; COELHO, Cristiano. Consumo e (super)endividamento: vulnerabilidade e escolhas intertemporais. Goiânia: Espaço Acadêmico, 2017.

MACEDO JÚNIOR, R. P. Direito à informação nos contratos relacionais de consumo. Revista de Direito do Consumidor, vol. 35, p. 113-122, jul./set. 2000. Disponível em: http://www.rtonline.com.br/>. Acesso em: 26/04/2021.

MARQUES, C. L. Sugestões para uma Lei sobre o tratamento do superendividamento de pessoas físicas em contratos de crédito ao consumo: proposições com base em pesquisa empírica de 100 casos no Rio Grande do Sul. In: MARQUES, Cláudia Lima; CAVALLAZZI, Rosângela Lunardelli (Org.). Direitos do consumidor endividado: superendividamento e crédito. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006.

SOUZA, J. C.; PEREIRA, A. M. Metodologia de trabalho. 3. Ed. São Paulo: Estrela,2011.

TOMASEVICIUS FILHO, E. Uma década de aplicação da função social do contrato: análise da doutrina e da jurisprudência. Revista dos Tribunais, v. 940, p. 49-85, 2014.

ALMEIDA, N. R. de. Violência no trabalho na equipe de enfermagem: prevalência e fatores associados nas emergências de hospitais de referência para causas externas. Fortaleza, CE, 2016. 147f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Medicina. Fortaleza, CE, 2016. Disponível em: http://repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/21577/1/2016_dis_nralmeida.pdf. Acesso em: 13 ago. 2021.

ALKIMIN, M. A. Violência nas relações de trabalho e a proteção à personalidade do trabalhador. Curitiba (PR): Juruá; 2011. 220 p.

ARNETZ, J. E. et al. Response to Letter to the Editor,“Measurement of Workplace Violence Reporting”. Workplace health & safety, v. 64, n. 2, p. 46-47, 2016. DOI: https://doi.org/10.1177%2F2165079915611132. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/2165079915611132. Acesso em: 06 ago. 2021.

BRASIL. Decreto-Lei 1.001, de 21 de outubro de 1969. Dispõe sobre o Código Penal Militar. Brasília, DF: Presidência da República, [1969]. Disponível em: https://www.pm.pa.gov.br/images/2020/Legisla%C3%A7%C3%A3o/Lei_1001_69.pdf. Acesso em: 06 ago. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

CARVALHO, A. E. L. de et al. Estresse dos profissionais de enfermagem atuantes no atendimento pré-hospitalar. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 73, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0660. Disponível em: https://www.scielo.br/j/reben/a/qsBMxY3MxBW3TXmF5sPSwnm/?format=html&lang=pt. Acesso em: 20 ago. 2021.

DE LIMA MUROYAI, R.; AUADI, D.; DA SILVA BRÊTASI, J. R. Representações de gêner Representações de gênero nas relações estudante de enfermagem o nas relações estudante de enfermagem e cliente: contribuições ao pr e cliente: contribuições ao processo de ensino ocesso de ensino ocesso de ensino-aprendizagem-aprendizagem. Rev Bras Enferm, Brasília 2011 jan-fev; 64(1): 114-22. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/fab9/4389d60b5baa6238b1087ec18e5420bb9ab8.pdf. Acesso em: 20 ago. 2021.

DO NASCIMENTO GERMANO, I. et al. Relatos de violência ocupacional de equipe de enfermagem em uma unidade de emergência no sul do Brasil. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 13, n. 8, p. e8536-e8536, 2021. DOI: https://doi.org/10.25248/REAS.e8536.2021. Disponível em: https://18.231.186.255/index.php/saude/article/download/8536/5178. Acesso em: 10 set. 2021.

FLÓRIDO, H. G. et al. Gerenciamento das situações de violência no trabalho na estratégia de saúde da família pelo enfermeiro. Texto & Contexto-Enfermagem, v. 29, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-265X-TCE-2018-0432. Disponível em: https://www.scielo.br/j/tce/a/zr6vqrpkSzwqG5yLNWBGcxg/?lang=pt. Acesso em: 03 set. 2021.

FOINA, A. Métodos de aquisição de dados quantitativos na internet: o uso da rede como fonte de dados empíricos. Ciência & Trópico, v. 30, n. 2, 2011.

FREITAS, H; JANISSEK, R.; MOSCAROLA, J. Dinâmica do processo de coleta e análise de dados via web. In: CIBRAPEQ Congresso Internacional de Pesquisa Qualitativa. 2004.

GONZÁLEZ REY, F. L. Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. Tradução: Marcel Aristides Ferrada Silva. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

JATIC, Z. et al. Frequency and forms of workplace violence in primary health care. Medical Archives, v. 73, n. 1, p. 6, 2019. DOI: https://dx.doi.org/10.5455%2Fmedarh.2019.73.6-10. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6445619/. Acesso em: 10 set. 2021.

LANCMAN, S.; SZNELWAR, L. I.; UCHIDA, S.; TUACEK, T. A. O trabalho na rua e a exposição à violência no trabalho: um estudo com agentes de trânsito. Interface - Comunic, Saúde, Educ. v. 11, n. 21, p. 79-92. Jan. 2007.

LEITE, C. N. et al. Violência na Estratégia de Saúde da Família: riscos para a saúde dos trabalhadores e ao atendimento. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, v. 28, n. e45789. 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2020.45789. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/hansen/resource/pt/biblio-1128451?src=similardocs. Acesso em: 06 ago. 2021.

LIMA, G. H. A.; SOUSA, S. M. A. Violência psicológica no trabalho da enfermagem. Rev Bras Enferm. v. 68, n. 5, p. 817-23. set-out. 2015.

MARTINS, B. S.; PEREIRA, M. C. Violência ocupacional na enfermagem. Research, Society and Development, v. 10, n. 7, p. e50910717246-e50910717246, 2021. DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i4.17246. Disponível em: file:///C:/Users/usuario/Downloads/17246-Article-215043-1-10-20210630.pdf. Acesso em: 03 set. 2021.

MICHAUD Y. A violência. São Paulo (SP): Editora Ática; 2001. 116 p.

MINAYO, M. C. S. et al. Institucionalização do tema da violência no SUS: avanços e desafios. Ciência & Saúde Coletiva, v. 23, p. 2007-2016, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.04962018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/Q3kCPCWfBzqh8mzBnMhxmYj/?lang=pt. Acesso em: 20 ago. 2021.

OLIVEIRA, C. A. B. de et al. Perfil da vítima e características da violência contra a mulher no estado de Rondônia-Brasil. Revista Cuidarte, v. 10, n. 1, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v10i1.573. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/cuid/v10n1/2346-3414-cuid-10-1-e573.pdf. Acesso em: 16 jul. 2021.

PAI, D. D. et al. Violência física e psicológica perpetrada no trabalho em saúde. Texto & Contexto-Enfermagem, v. 27, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072018002420016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/tce/a/Nqz7CrLLtVmhNjgjNKgMQ9t/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 10 set. 2021.

RAMACCIATI, N. et al. User-friendly system (a smartphone app) for reporting violent incidents towards emergency nurses in the Emergency Department: an Italian multicenter study. La Medicina del Lavoro, v. 112, n. 1, p. 68, 2021. DOI: https://dx.doi.org/10.23749%2Fmdl.v112i1.9984. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC8023056/. Acesso em: 03 set. 2021.

ROCHA, F. L. F. et al. ENFERMAGEM ATUANTE NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA LABORAL: ANÁLISE A PARTIR DA REVISÃO DE LITERATURA. Revista Bionorte, v. 7, n. 1, 2018. Disponível em: http://www.revistabionorte.com.br/arquivos_up/artigos/a129.pdf. Acesso em: 20 ago. 2021.

RODRIGUES, J. A.. Ações de prevenção relacionadas a violência ocupacional dos trabalhadores da área da saúde da Rede de Atenção à Saúde de Campo Grande/MS. Campo Grande, MS, 2021. 134f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande, MS, 2021. Disponível em: https://repositorio.ufms.br/bitstream/123456789/3867/1/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20vers%C3%A3o%20final%20corrigida.pdf. Acesso em: 03 set. 2021.

SHAFRAN-TIKVA, S. et al. Workplace violence in a tertiary care Israeli hospital-a systematic analysis of the types of violence, the perpetrators and hospital departments. Israel journal of health policy research, v. 6, n. 1, p. 1-11, 2017. Disponível em: https://ijhpr.biomedcentral.com/articles/10.1186/s13584-017-0168-x. Acesso em: 17 set. 2021.

SOUZA, A. A. M.; COSTA, W. A.; GURGEL, A. K. C. Aspectos relacionados à ocorrência de violência ocupacional nos setores de urgência de um hospital. Rev. Cuidado é Fundamental Online. v. 6, n. 2, p. 637-650. abr./jun. 2014.

TSUKAMOTO, S. A. S. et al. Violência ocupacional na equipe de enfermagem: prevalência e fatores associados. Acta Paulista de Enfermagem, v. 32, p. 425-432, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-0194201900058. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ape/a/T6hqPLG7hR7SRQy4jNzM4vc/?lang=pt&format=html. Acesso em: 17 set. 2021.

TUYA-FIGUEROA, X. et al. External workplace violence against doctors in hospital services in Lima Metropolitana, Peru 2014. Rev. perú. med. exp. salud publica, Spanish: Lima Metropolitana, v. 33, n. 4, p. 670-679, 2016. DOI: https://doi.org/10.17843/rpmesp.2016.334.2550. Disponível em: https://rpmesp.ins.gob.pe/index.php/rpmesp/article/view/2550/2577. Acesso em: 06 ago. 2021.

VASCONCELLOS, I. R. R.; ABREU, A. M. M.; MAIA, E. L. Violência ocupacional sofrida pelos profissionais de enfermagem do serviço de pronto atendimento hospitalar. Rev. Gaúcha Enferm. v. 33, n. 2, p. 167-175. Jun. 2012.

SHARMA, R. K.; SHARMA, V. Workplace violence in nursing. J Nurs Care, v. 5, n. 335, p. 2167-1168.1000335, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.4172/2167-1168.1000335. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/e1fb/7c15a1a811d2d6d2aeade88b608f8f7fe47c.pdf. Acesso em: 17 set. 2021.

VIEIRA, G. L. C. Agressão física contra técnicos de enfermagem em hospitais psiquiátricos. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 42, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/2317-6369000004216. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbso/a/kNjfzbDVgRQy9L67G4bmggj/?lang=pt. Acesso em: 20 ago. 2021.

XAVIER, A. C. H.; BARCELOS, C. R. V.; LOPES, J. P.; CHAMARELLI, P. G.; RIBEIRO, S. S.; LACERDA, L. S. Assédio moral no trabalho no setor saúde no Rio de Janeiro: algumas características. Rev. Brasileira Saúde Ocupacional. v. 117, n. 33, p. 15-22. 2008.

YANG, S. Z. et al. Workplace violence and its aftermath in China’s health sector: implications from a cross-sectional survey across three tiers of the health system. BMJ open, v. 9, n. 9, p. e031513, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.1136/bmjopen-2019-031513. Disponível em: https://bmjopen.bmj.com/content/bmjopen/9/9/e031513.full.pdf. Acesso em: 20 ago. 2021.

ZHAO, S. et al. Coping with workplace violence against general practitioners and nurses in Heilongjiang Province, China: social supports and prevention strategies. PLoS One, v. 11, n. 6, p. e0157897, 2016. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0157897. Disponível em: https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0157897. Acesso em: 10 set. 2021.

Downloads

Publicado

28-03-2022

Como Citar

Matos, G., Tatiane Aparecida dos Anjos, Rafaela de Fátima Germano, Daniela de Souza Ferreira, & Juliana Gonçalves Silva de Mattos. (2022). [ID 121] IMPACTOS DA VIOLÊNCIA OCUPACIONAL NA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL : Giovanna Silva Matos, Tatiane Aparecida dos Anjos, Rafaela de Fatima Germano, Daniela de Souza Ferreira, Juliana Gonçalves Silva de Mattos. Revista Vitae - Educação, Saúde &Amp; Meio Ambiente, 2(10), 434–451. Recuperado de https://revistas.unicerp.edu.br/index.php/vitae/article/view/2525-2771-v2n10-8

Edição

Seção

Artigos